Amazônia tem 13 das 30 cidades mais violentas do Brasil

No porto de Jacareacanga (PA), homem transporta motores de garimpo. Cidade está entre as mais violentas do país, aponta o Anuário Brasileiro de Segurança Pública


Por Herculano Barreto Filho para UOL


Amazônia tem 13 das 30 cidades mais violentas do Brasil.
Crédito: Fernando Martinho/Repórter Brasil

A Amazônia tem 13 das 30 cidades mais violentas do país, indica levantamento feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que divulgou hoje os dados do Anuário com base nos casos registrados entre 2019 e 2021.

O estudo elaborou um ranking usando como referência o índice de mortes a cada 100 mil habitantes. Neste ano, a novidade foi a inclusão de municípios pequenos, com um cálculo proporcional relacionando a quantidade de moradores e as mortes violentas intencionais, incluindo homicídio doloso, latrocínio (roubo seguido de morte), lesão corporal seguida de morte e assassinatos em ações da polícia.


Procurado pelo UOL, o governo federal não se posicionou.


Segundo o Fórum, a presença de 13 cidades da Amazônia demonstra que o cenário de violência em áreas fronteiriças e perto de comunidades indígenas já fazia parte dessas regiões muito antes dos assassinatos do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira.


O correspondente do jornal britânico The Guardian e o servidor licenciado da Funai (Fundação Nacional do Índio) foram mortos a tiros no dia 5 de junho no trajeto entre a comunidade ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte (AM), no Vale do Javari.


"Os defensores do meio ambiente seguem em risco", disse Alessandra Sampaio, viúva de Dom, em carta lida no velório do jornalista, cremado nesse domingo (26) no cemitério Parque da Colina, em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro.


O levantamento do Anuário Brasileiro de Segurança Pública considerou um recorte de três anos, entre 2019 e 2021, "para evitar distorções", já que assassinatos registrados em apenas um ano seriam insuficientes para indicar o fenômeno em cidades de pequeno porte.


“Com três anos, dá para dizer que a violência está presente no território. E é a média dos últimos três anos, não algum episódio pontual. Nem países em guerra têm essa taxa. O fenômeno da violência está se interiorizando para municípios com menos de 100 mil habitantes. E a Amazônia é a síntese desse quadro de violência extrema no Brasil" - Renato Sérgio de Lima, presidente do Fórum.


Lima relaciona os crimes na Amazônia à omissão do Estado somada à presença de facções criminosas, que transportam armas e drogas para o país. Segundo ele, o crime organizado se aproveita da ausência das Forças Armadas em áreas fronteiriças ou em terras indígenas para controlar as ações ilegais no território.


"O crime organizado tem exercido um papel de 'síndico da Amazônia', controlando a economia do crime. Isso envolve o garimpo, a pesca ilegal, o combustível clandestino e até a prostituição. É como a milícia no Rio, ocupando as brechas deixadas pelo Estado", compara.


O presidente do Fórum vê ainda um cenário de impunidade fortalecido pela precária estrutura das forças de Segurança nessas regiões. "No Acre, há apenas 78 delegados de Polícia Civil. Em Roraima, são 56. O delegado é o cargo responsável por fazer as investigações criminais. Com isso, dá para perceber o quanto é difícil fazer Justiça na Amazônia", analisa.


Das 30 cidades mais violentas do país, há 19 rurais, oito intermediárias e três urbanas. Pará é o estado que lidera o ranking (7 cidades), seguido de Bahia e Rio Grande do Norte (5 cidades cada um) e Ceará (4 cidades).


Japurá (AM) é a menos populosa delas, com apenas 1.755 moradores, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A mais populosa é Anapu (PA), com 29.312 habitantes, ainda segundo o IBGE.


Morte de político e de indígena


Em 1º lugar no ranking, a rural São João do Jaguaribe (CE) foi palco do assassinato de um importante político da região. O advogado Vicente Robson Chaves Freire, ex-vice-prefeito do município, foi morto a tiros em janeiro de 2021.


Um indígena da etnia Munduruku foi assassinado em Jacareacanga (PA), que figura na região da Amazônia Legal e aparece em 2º lugar na lista dos municípios mais violentos do país, conforme o Anuário. Arlesson Glória Panhum da Silva, 21, foi morto a tiros quando estava em um bar.


Três dias após o crime, o suspeito de matar o indígena acabou sendo assassinado em sua casa durante uma ação da Polícia Militar, que afirmou ter reagido a disparos. Um revólver foi apreendido no local, informou a PM.

No período analisado pelo Anuário, há casos de repercussão em municípios na Amazônia listados como os mais violentos do país, como o assassinato de quatro pessoas na saída de um garimpo ilegal de Aripuanã (MT), em novembro de 2020.


De acordo com o boletim de ocorrência, uma jovem de 19 anos, que estava grávida e era casada com Jonas dos Santos, de 25 anos, uma das vítimas, teve a vida "poupada" após o marido implorar aos suspeitos que a liberassem.


Na ação, também foram mortos Elzilene Tavares Viana, 41, o marido Leôncio José Gomes, de 40, e o filho do casal, Luiz Felipe Viana Antônio da Silva, de 19.


Em depoimento, a sobrevivente relatou que os assassinos estavam encapuzados. Ela disse ter sido levada de carro pelos suspeitos até Juína, onde eles pagaram a passagem de ônibus dela e disseram para ela "desaparecer”.


Quase dois anos após o crime, o caso segue sem solução. Apipuanã figura em 10º lugar no ranking das cidades mais violentas do país elaborado pelo Anuário.


Trabalhadores rurais mortos no Maranhão


Uma sequência de seis assassinatos de trabalhadores rurais no interior do Maranhão entre junho e outubro de 2021 motivou a CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) a elaborar uma nota de repúdio cobrando o então governador Flávio Dino (PSB) a frear a tensão no campo.


"A aposta governamental no aumento do agronegócio tem relação direta com casos de grilagem e morte no campo, e o incentivo a megaprojetos, com o aumento da degradação socioambiental e a expulsão de comunidades a todo o custo de seus lugares de vida", dizia um dos trechos da nota elaborada na ocasião.


Os primeiros assassinatos ocorreram em 18 de junho do ano passado, vitimando Reginaldo Alves Barros e Maria da Luz Benício de Sousa, no povoado Vilela, em Junco do Maranhão (MA). Segundo entidades, foi o quarto homicídio registrado na comunidade desde 2019.


Em 22º lugar no ranking das cidades mais violentas do país, Junco do Maranhão (MA) também integra a região da Amazônia Legal.


Brasil tem 47,5 mil mortes violentas em 2021


No ano passado, o Brasil registrou 47,5 mil mortes violentas e a taxa chegou a 22,3 mortes para cada 100 mil habitantes — uma queda de 6,5% em relação a de 2020 (23,8, quando houve registro de 50,4 mil assassinatos). Trata-se do menor índice da série histórica, iniciada em 2011.


Ao todo, 77,6% das vítimas de mortes violentas são pessoas negras.


Em 2017, o Brasil atingiu um recorde de assassinatos e a taxa chegou a 30,9 mortes para cada 100 mil habitantes. O índice caiu em 2018 e 2019 e voltou a subir no ano passado.


Policiais mataram 6,1 mil em 2021; 84% eram negros


O levantamento elaborado pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública aponta que policiais mataram 6,1 mil pessoas em 2021, queda de 4,9% em comparação aos 6.413 registros de 2020. Ao todo, 84% das pessoas mortas em ações policiais eram negras. Em 2021, 190 policiais foram mortos no país —queda de 12% em comparação aos 222 registros de 2020.


Desde 2013, quando o Fórum Brasileiro de Segurança Pública passou a monitorar o número de mortes em intervenções policiais, ao menos 43.171 pessoas foram vítimas de ações de policiais civis ou militares de todo o país —os números não incluem os dados de mortes por intervenções de policiais federais e rodoviários federais.

Apesar do elevado número de mortes em decorrência de ações policiais, que equivalem a 12,9% de todas as mortes violentas intencionais no país, o Brasil viu esse número reduzir pela primeira vez em 2021.


Contudo, elevadas taxas de mortalidade em ações policiais permanecem em vários estados. O caso alarmante é o do Amapá, a polícia mais violenta do país, onde a taxa de pessoas mortas em intervenções foi de 17,1 por 100 mil habitantes, quase seis vezes a média nacional de 2,9.


Sergipe aparece em 2º lugar no ranking de letalidade policial, com taxa de 9 mortes por 100 mil habitantes, seguido de Goiás (8). Em 4º lugar, o Rio de Janeiro, com 1.356 vítimas, em números absolutos. Entre as vítimas, há as 28 mortes na favela do Jacarezinho, de maio de 2021, apontada como a ação mais letal da história da polícia do Rio de Janeiro.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square