Garimpo ilegal dispara em terra indígena Yanomami onde duas crianças morreram

Publicado em Poder360


A atividade aumentou em 2020 e continua a crescer em 2021, segundo a Hutukara Associação Yanomami


O garimpo ilegal cresce na Terra Indígena Yanomami, onde as invasões escalam. De acordo com a Hutukara Associação Yanomami, há mais de 20 mil garimpeiros no local. Até setembro de 2021, a área de floresta destruída pelo garimpo ilegal superou a marca de 3 mil hectares –um aumento de 44% em relação a dezembro de 2020, segundo a associação.


O relatório Cicatrizes da Floresta: Evolução do garimpo ilegal na TI Yanomami em 2020 (íntegra – https://static.poder360.com.br/2021/10/nota_hutukara_criancas_garimpo.pdf ), divulgado em março deste ano, apontou a tendência de aumento da degradação na Terra Indígena Yanomami no ano passado


Ao final de 2020, somavam-se 2.400,00 hectares de área degradada na Terra Yanomami. Desse total, 500 hectares foram registrados entre janeiro e dezembro do mesmo ano, um aumento de 30%, com um crescimento mais pronunciado no 1º semestre.


No dia 12 de outubro de 2021 duas crianças yanomami da comunidade indígena Macuxi Yano morreram depois de desaparecerem no rio Parima, em Roraima. Segundo a Hutukara Associação Yanomami os 2 meninos, de 5 e 7 anos, brincavam no rio que banha a comunidade, próximo à balsa de garimpo instalada no local, quando foram sugados por uma draga, cuspidos para o meio do rio e levados pelas correntezas.


“O aumento da atividade garimpeira ilegal na Terra Indígena Yanomami está se refletindo em mais insegurança, violência, doenças, e morte para os Yanomami e Ye’kwana. As autoridades brasileiras precisam continuar atuando para proteger a Terra-Floresta, e impedir que o garimpo ilegal continue ameaçando nossas vidas”, disse o vice-presidente da Hutukara Associação Yanomami, Dário Vitória Kopenawa Yanomami em carta. No relatório Cicatrizes da Floresta, a análise destaca a generalizada utilização de maquinários caros e pesados e o funcionamento de uma complexa rede logística multimodal (terrestre, fluvial e aérea), que viabiliza a extração ilegal de ouro na Terra Indígena em escala intensa.


“A atividade garimpeira hoje assume características semelhantes à mineração de médio porte, demandando uma organização empresarial, de alto investimento financeiro e complexa organização logística, e alcançando elevado potencial de impacto sobre o meio ambiente e vidas humanas”, disse o relatório.


Em maio, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Roberto Barroso determinou que a União adote medidas para garantir a proteção da vida, da saúde e da segurança das populações indígenas que habitam as Terras Indígenas Yanomami e Mundurucu, nos Estados de Roraima, Amazonas e Pará.


A Justiça Federal determinou que a União mantenha efetivo armado de forma permanente na comunidade Palimiú, no interior da Terra Indígena Yanomami, em Roraima, para garantir a segurança dos indígenas depois de uma série conflitos na região. O pedido foi feito pelo MPF (Ministério Público Federal).

Posts Em Destaque
Posts Recentes